Meio Ambiente

    Um grupo de 19 professores doutores do Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Recursos Naturais (mestrado e doutorado) da UFC se reuniu e construiu um documento sobre as áreas verdes urbanas de Fortaleza no qual constatam que o empreendimento proposto para a área das dunas da Sabiaguaba é completamente inadequado no que se refere à legislação sobre a conservação da natureza, inadequado do ponto de vista do que ele representa em relação à relevância das áreas verdes no contexto urbano e não é admissível por uma sociedade que almeja um futuro ecologicamente e socialmente saudável. A Agência Eco Nordeste publica, nesta segunda-feira (27), a pesquisa, em primeira mão, com exclusividade.

    O Serrote Pão-de-Açúcar fica em Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza | Foto: Alice Sales

    Por Vanda Claudino-Sales
    Geógrafa
    Professora associada aposentada da Universidade Federal do Ceará (UFC)
    Professora visitante da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA)
    Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

    O fenômeno vulcanismo é o resultado da ascensão do magma (rocha fundida existente no interior da Terra) à superfície terrestre. O material originado por esse processo, de maneira geral, se apresenta de forma gasosa, líquida (lava) e sólida, e suas características dependerão essencialmente da composição original do magma, bem como das condições de temperatura e pressão reinantes no momento da erupção. Apesar dos avanços tecnológicos, o vulcanismo, dentre todos os fenômenos naturais, é um dos mais complexos e desconhecidos no tocante aos mecanismos de gênese e evolução.

    O projeto denominado “Apoio à conservação de espécies endêmicas e ameaçadas de cactos na Caatinga brasileira” é liderado pela pesquisadora Vanessa Nóbrega Gomes, do Núcleo de Biodiversidade do Insa, com apoio da Rufford Foundation.

    Melocactus lanssensianus (coroa-de-frade) | Foto: João Pedro Crispim

    Campina Grande – PB. A família Cactaceae, com mais de 1.480 espécies reconhecidas (Goettsch et al. 2015), representa a segunda em ordem de tamanho entre as plantas vasculares endêmicas das Américas. O Brasil se constitui como terceiro país do mundo com maior diversidade de cactáceas. A contribuição dessas espécies para a fauna local está no fornecimento de recursos como pólen, néctar e frutos, especialmente em períodos de escassez de recursos, devido à sazonalidade climática do Semiárido brasileiro.

    Página 1 de 4

    © 2018 RM77.DESIGN. All Rights Reserved. Designed rm77.com.br
    Free Joomla! templates by AgeThemes