Notícias

    A Chapada do Araripe é uma bacia cultural composta por uma herança de valor histórico, paisagístico, artístico, arqueológico, paleontológico, ecológico e científico, associando em pleno os protocolos de valoração excepcional de patrimônio material e imaterial, cultural e ambiental | Foto: Maristela Crispim

    Crato – CE. Representando o governador Camilo Santana, o secretário da Cultura do Ceará, Fabiano Piúba, esteve, na semana passada, na sede do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), em Brasília (DF); juntamente com o reitor da Universidade Regional do Cariri (Urca), Francisco Lima Junior; e o diretor do Serviço Social do Comércio (Sesc) / Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) Ceará, Rodrigo Leite, para a entrega de documentos para solicitar a inscrição da Chapada do Araripe como Patrimônio da Humanidade ao presidente interino do Iphan, Robson de Almeida, e ao diretor do Departamento de Cooperação e Fomento (Decof)/Iphan, Marcelo Brito.


    06.fev.2020 (quinta-feira) - 5h50
    atualizado: 06.fev.2020 (quinta-feira) - 6h26

     

    A pulverização aérea de agrotóxicos está proibida no Ceará desde o início de 2019 por força da lei estadual 16.820/19, de autoria do nosso mandato. A formulação da lei contou com a contribuição técnica de diversos movimentos sociais e instituições científicas. Chamada de Lei Zé Maria do Tomé, a iniciativa é uma homenagem ao líder comunitário assassinado em função de sua luta contra os agrotóxicos na cidade de Limoeiro do Norte.

    Paredões de arenito típicos do Parna do Catimbau (PE) | Foto: Neison Freire / 2013

     

    Antonio Rocha Magalhães
    Economista
    Ex-Secretário de Planejamento do Ceará
    Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

    A convivência entre as atividades humanas na Caatinga e a Sustentabilidade exige políticas públicas que esbarram (1) na baixa capacidade técnica de formulação e (2) nos interesses de curto prazo dos investimentos privados e públicos. É tudo uma questão de tempo: no longo prazo, conservação e desenvolvimento são compatíveis, porém no curto prazo os lucros podem ser comprometidos pelas restrições ambientais, impostas pela política ambiental por meio dos estudos de impacto ambiental e dos licenciamentos para realização de investimentos.

    Página 1 de 13

    © 2018 RM77.DESIGN. All Rights Reserved. Designed rm77.com.br
    Free Joomla! templates by AgeThemes